Artigos - Técnica dos Mentores

As portas do próximo milênio, ainda encontramos pessoas questionando a respeito de quem são e para onde ir. Perdidas em meio a relacionamentos, trabalho e desejos. Quem sou? O que quero? Para onde vou? Perguntas que nossa civilização tem feito até o momento numa demonstração da profunda agonia quanto a este auto-conceito que chamamos de Identidade.

Em meio a esta confusão, a busca de mestres e iluminados que dêem respostas as angústias continuam em grande profusão. Diga-se de passagem um antigo costume entre nós. Os livros de história contam sobre esta tendência humana já em tempos imemoriais. Pessoas procurando desesperadamente por indivíduos chamados mestres clamando orientação para o caminho da terra prometida. Depositam nestes a esperança e a responsabilidade da transformação, como se fossem eles a causa da mudança.

Ao analisarmos antigas escrituras que relatam os ensinamentos destes mestres de diferentes civilizações ao redor do mundo, encontramos uma estranha similaridade entre elas. Por exemplo, todas afirmam que “as respostas a todas as nossas mais profundas angústias, encontram-se no interior de nós mesmos”, ou seja, o que a civilização humana passou procurando por milênios nos mestres, encontra-se dentro de cada um de nós. Seria o mesmo que dizer: é dentro de ti que encontrarás teu grande mestre!

Havendo um mestre dentro de mim, todos os recursos que necessito para solucionar problemas e transformar meu ser também estão dentro de mim uma vez que possuo toda sabedoria necessária para isto.

Estariam as escrituras tentando comunicar algo que só compreenderíamos séculos (milênios) mais tarde? Um fato é que todas as escrituras utilizam excessivamente nominalizações para descrever o caminho para o processo de transformação interior. Obviamente o número de interpretações que estas escrituras acabam gerando, face ao número incomensurável de nominalizações utilizadas, também é enorme. Isto acaba, de certo modo, confundindo as pessoas sobre o que as escrituras querem dizer exatamente.

Como sabemos, as nominalizações são também gatilhos que disparam as representações internas, provocando distorções, generalizações e omissões. Por tanto, um instrumento para indução ao transe hipnótico.

Descobriu-se que o estado de transe é um excelente facilitador para o estado de aprendizagem acelerada. Este estado facilita nossas representações internas, criando um ambiente afetivo suficientemente intenso para estabelecer novas memórias. Mesmo as escrituras utilizando este tipo de técnica – isto pressupondo que tinham o mesmo fim – faltam-lhe objetividade suficiente para o leitor compreender com exatidão o que elas pretendiam comunicar. Em suma, falta-lhe a indicação de um processo sistematizado para que qualquer pessoa consiga trilhar com segurança um caminho que leve em direção ao seu mestre interior, ou Mentores como prefiro.

A Programação Neurolingüística é uma ciência que estuda os programas neurológicos do comportamento humano. Tendo isto como premissa, poderia a PNL decifrar os códigos, ou desnominalizar suficientemente as escrituras a fim de que possamos compreendê-la e trilhar este caminho em direção aos Mentores internos?

Se o objetivo é entrarmos em contato com este ser maravilhoso que habita em nós, o que estaria nos faltando seria apenas o veículo que nos conduziria na sua direção. Utilizando o transe como o instrumento facilitador de representações internas e comunicação com o Inconsciente temos então o veículo para esta jornada.

A Técnica dos Mentores é uma técnica de reprogramação da identidade afetiva, e que tem como objetivo restabelecer a conexão entre o sujeito e seus Mentores. Através do transe hipnótico, a Técnica dos Mentores facilitaria ao sujeito criar novas conexões com seu processo generativo e evolutivo, uma vez que atua diretamente sobre comportamentos, crenças, identidade, missão e espiritualidade.

Criada e desenvolvida a partir de pesquisas do Psic. Leonardo B. Bueno, Master-Trainer em PNL, esta técnica servia originalmente para processos generativos de mudança no padrão das escolhas afetivas. Três anos mais tarde, acompanhado os resultados de pacientes que se submeteram à Técnica dos Mentores, percebeu-se que a mesma atingia outros pontos da neurologia destes. Provocando mudanças também a nível evolutivo. Os pacientes não só passaram a determinar novas escolhas, modificando seus relacionamentos afetivos, como também conseguiram determinar novos propósitos de vida. Crenças e objeções limitantes deram lugar a crenças mais ecológicas e úteis.

Leonardo Bueno
Psicoterapeuta, Consultor e Palestrante
Master-Trainer em PNL



VOLTAR