Artigos - Ciúme: É doença!

Você já viu alguma pessoa altamente sábia com crises de ciúme? Pois é. Eu também não.

O ciúme é uma característica de pessoas pra lá de imaturas na área afetiva. O portador de ciúme, costuma ser altamente inseguro consigo e com o companheiro(a). Não consegue confiar no outro, uma vez que parte do pressuposto que o outro está sempre mentindo.

O ciumento acaba por imprimir um estilo de relacionamento onde a falta de respeito se faz presente o tempo todo. O ciumento, por isso mesmo, carrega consigo uma arrogância enorme sobre suas idéias e fórmulas sobre como deve ser um bom relacionamento. Relacionamento para ele é sinônimo de prisão, onde o outro não pode ser o que ele é, mas aquilo que ele(a) espera que o outro seja. Só quem já esteve ao lado de um ciumento para saber o martírio que é a convivência.

O ciúme é típico de pessoas apaixonadas, como já diriam os antigos gregos e, portanto cega! Eu diria mais: é cega, surda, muda e altamente estúpida.

Cega porque dentro do estado de paixão, ficamos impedidos inclusive fisiologicamente (nosso campo de visão diminui) de perceber o que acontece a nossa volta. Não conseguimos ver e aceitar o óbvio. Quem está à volta percebe e comenta a respeito do óbvio. Mas o apaixonado distorce o que vê, diminuindo problemas e/ou supervalorizando detalhes que são insignificantes para o sucesso da relação.

A paixão é surda porque não queremos ouvir nada que possa questionar a qualidade da relação. Deixamos de escutar, como se não quiséssemos ouvir detalhes da vida da outra pessoa. O outro fala abertamente sobre si. Mas o apaixonado apaga e omite partes da informação. Todos à volta escutaram o que foi falado, mas o apaixonado teima em dizer que aquelas afirmações não vieram da boca do bem amado, ou que a população inteira é que não entendeu o que ele quis dizer.

A paixão é muda porque todo apaixonado deixa de dizer as verdades na hora adequada. Na maioria das vezes acaba encontrando a pior situação para dizer o que pensa. O resultado é sempre um desastre!

Como então não qualificar a paixão, ela por si só de estúpida? Os comportamentos que advêm desta emoção são muito pouco inteligentes e úteis. Somente dentro de um estado de paixão é que poderia surgir o ciúme.

Qual a diferença entre o estado de amorosidade e a paixão? Simples. A paixão é um dos dois elementos que fazem parte da amorosidade. Tanto que no estado de amorosidade a pessoa sente a mesma coisa que no estado de paixão.

O segundo elemento é a sabedoria. A qualidade de saber como se comportar, pensar e sentir com competência. No estado de amorosidade, as pessoas sabem exatamente quais são os comportamentos mais adequados para cada contexto. Detém o conhecimento das habilidades necessárias para executar cada comportamento. Suas crenças são todas elas congruentes e direcionadas para um relacionamento de qualidade.

A cura para o ciúme? Simples: injetar sabedoria no ciumento. Uma vez que ele já tem a primeira parte – abundantemente – falta-lhe apenas a segunda. Fazendo-o mais sábio, automaticamente ele ascende para o estado de amorosidade.

O processo torna-se mais lento, dependendo da quantidade de arrogância que o ciumento carrega. Esta arrogância muitas vezes são objeções, crenças negativas que impedem o mesmo de evoluir. Crenças do tipo: ‘todo homem é cachorro’, ou ‘toda mulher trai’.

Pessoas que sabem conduzir a relação para a amorosidade, desconhecem o ciúme.  Já o ciumento não tem a menor idéia do que seja o amor. O que ele conhece é a paixão. E tenta convencer o companheiro(a) de que a paixão – estúpida – é que é o verdadeiro amor.

É uma pena que nossa sociedade não se preocupe em treinar, ou seja, educar nossas crianças no sentido de se transformarem em seres 100% competentes na arte da amorosidade. Toda a mídia está voltada para o exercer a paixão. Isto acaba por mal informar e formar as pessoas, a respeito do que é um ser amoroso. De maneira geral, o que todo mundo é ‘doutor’ é na tal da paixão.

Cabe lembrar que relacionamento nenhum sobrevive a crises de ciúme. Nenhum relacionamento sobrevive a falta de respeito. E o ciúme é uma falta profunda de respeito ao outro, uma vez que o ciumento sempre está desconfiando e tomando seu companheiro(a) como mentiroso.

Se você conhece algum ciumento, tenha uma atitude amorosa com ele: encaminhe urgentemente para um psicólogo. Este é o melhor profissional para trabalhar com este tipo de caso. Se você é um ciumento(a), procure ajuda. A solução pode ser mais simples do que você imagina.

Um abraço, e divirtam-se sadiamente em seu relacionamento.

Leonardo Barbieri Bueno
Psicoterapeuta
Master-Trainer em PNL



VOLTAR